Livros

acreditarA MULHER QUE NÃO QUERIA ACREDITAR
2011, Panda Books, 120 páginas.

Prefaciado por João Paulo, jornalista do Estado de MinasA mulher que não queria acreditar reúne histórias que representam todas as facetas da escritora. Por vezes, você é levado a prestar atenção nas coisas simples do cotidiano por meio de um acontecimento banal, na melhor tradição da boa crônica brasileira.
Em outras oportunidades, surgem contos que vão direto ao ponto, revelando gente interessante e casos engraçados. E há momentos, ainda, em que a autora se revela – é a artista falando de seu lado mulher, filha, amiga e mãe. Um livro adorável, que você não pode deixar de ler!

shop   twitter

NUNCA SUBESTIME UMA MULHERZINHA
2007, Panda Books, 120 páginas.

Nunca subestime uma mulherzinha é uma reunião de contos e crônicas publicados pela autora nos jornais Correio Braziliense O Estado de Minas, com prefácio de Zélia Duncan.
Nesta publicação o leitor poderá comprovar o talento literário e a irreverência de Fernanda Takai, uma mulherzinha com pouco mais de um metro e meio, de voz suave, que no Pato Fu se escondia atrás de uma guitarra.
Em textos confessionais e bem-humorados, de simplicidade sublime, a autora descreve momentos de sua vida e cria outros que poderiam caber na vida de qualquer um.

shop   twitter

.

_____________________________________________________________________________________________________________________________________________

.

A GUEIXA E O PANDA VERMELHO
2013, Editora Cobogó, 32 páginas. 

“Fernanda Takai teve a ideia de escrever essa fábula depois de visitar o zoológico de Ueno, em Tóquio, no Japão, onde todos só queriam saber do famoso panda-gigante. Nem ligavam para o raro e solitário panda-vermelho, uma “mistura de raposa, urso, gato e guaxinim”. O animal, pequeno e de cauda felpuda, chamou também a atenção da menina Yuki, personagem que bem lembra uma boneca de dobradura nas ilustrações delicadas de Thereza Rowe.

Yuki é uma “maiko”, uma jovem gueixa aprendiz. Mas ela não se sente preparada para suas responsabilidades como gueixa, treinada a dançar, cantar, contar histórias e preparar a tradicional cerimônia do chá. No dia em que Yuki apresenta suas habilidades no bairro de Kagurazaka, o vento carrega a menina até o panda-vermelho, com quem trava uma bonita amizade.. 
A fábula de Takai é dessas que terminam meio sem terminar e que nos deixam pistas para decifrar mais a história. Ela parece soprar um recado no ouvido do leitor: fique atento ao invisível.”
.

Gabriela Romeu, Folha de São Paulo

 

.


shop    twitter

.

· · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · PARA LER ONLINE · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · ·

.

A VIAGEM INFINITA
Estado de Minas, 03.05.2011

A FRANJA DO KILIMANJARO
Estado de Minas, 01.02.2011

MEU PEQUENO GRANDE EVA
Estado de Minas & Correio Braziliense, 18.01.2011

MEU PRIMEIRO PEIXE-BOI
Estado de Minas, 02.11.2010

POR FAVOR, NÃO PARE O CASAMENTO!
07.09.2010

O MUNDO GIRA
Estado de Minas & Correio Braziliense, 17.08.2010 

O PÃO
Estado de Minas, 01.06.2010

ENCONTRO COM… A MONGA!
Estado de Minas, 02.02.2010

O MOVIMENTO DAS MONTANHAS
Estado de Minas & Correio Braziliense, 29.12.2009

PRA CHAMAR SUA ATENÇÃO
Estado de Minas & Correio Braziliense, 29.09.2009

COMENTÁRIOS SOBRE VIDA E MORTE
Estado de Minas, 30.06.2009

PIPA NO CÉU
Estado de Minas, 05.06.2009

VAMOS SALVAR AMY!
Estado de Minas, 18.07.2008

ELE NÃO VEIO
Estado de Minas, 30.05.2008

SEGUINDO OS PASSOS DE UMA ROSA
Estado de Minas, 21.03.2008

PROCURA-SE UMA PROFESSORA DE VIOLÃO
Estado de Minas & Correio Braziliense, 05.10.2006

PLANTAÇÃO REGADA A VENTO
Estado de Minas, 21.07.2006

BICHOS DO JARDIM QUE NÃO SÃO NECESSARIAMENTE MEUS
Estado de Minas, 07.07.2006

O DESAFIO DOS CHEFES
Estado de Minas, 17.03.2006

MULTI LADA
Estado de Minas, 09.12.2005

CORUJICES
Estado de Minas, 30.09.2005

.

· · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · · ·