. . . . . .

AboutFace

PRA CHAMAR SUA ATENÇÃO


Essa frase parece letra de música de alguém apaixonado querendo ser notado, não é? Mas é pra falar sobre um assunto sério com o qual tenho me envolvido recentemente. Há mais de ano recebi o material de uma ONG chamada AboutFace. Ela tem sede no Canadá desde 1985 e hoje também está no Brasil fazendo um trabalho importante para criar uma rede de compartilhamento de experiências sobre diferenças faciais, defeitos físicos adquiridos por doenças ou acidentes. Achei muito boa a iniciativa mas por causa de uma intensa rotina de trabalho, respondi que não conseguiria me envolver por inteiro para ajudá-los no ano passado. Para mim não basta apenas doar verba, colocar uma foto no site. Prefiro doar o meu tempo participando de ações, usando a visibilidade que minha carreira tem pra que mais gente se interesse e seja um agente positivo sobre o assunto.

Então depois desse primeiro contato em 2008, só agora estamos colocando em prática essa amizade. Se tudo der certo, em breve mais e mais gente estará envolvida nessa caminhada. Aqui na coluna várias vezes escrevi textos que despretensiosamente tocaram muita gente que se identificou com o assunto. Foram ideias que partiram de experiências minhas, pequeninas, mas enormes na vida de outras pessoas. Situações como ser ridicularizado por causa de sotaque, ter um nome engraçado, usar óculos de grau alto, não ser lá muito bonito, andar com dificuldade, ter gosto peculiar por roupas, ser pequeno demais ou muito grande. Ser muito branco, muito preto ou muito oriental. Muito magro ou muito gordo… Conheci gente que tem a cara torta, anda de rodinhas, não tem um braço ou uma mão. Alguns não falam, não escutam ou não enxergam, mas se comunicam bem com o mundo, são competentes na sua vida cotidiana. Trabalham, dão alegria a outras pessoas. São queridos e amados, enfim.

Aí vocês me perguntam: qual é o meu defeito que me faz sentir motivada a trabalhar para uma organização como a AboutFace? Talvez eu não tenha algo notável assim à primeira vista, mas tenho vários outros que por serem “invisíveis” fazem com que minha interface com o mundo seja mais suave do que aquelas pessoas que lidam diariamente com suas diferenças.

O público-alvo imediato da nossa campanha são jovens entre 10 a 15 anos. Curiosamente parece ser essa a faixa etária que mais olha estranho para o “não-semelhante”. Além disso, são os que mais praticam o bullying – provocações físicas ou psicológicas a outros colegas. Tudo muito gratuito e cruel, sem qualquer explicação a não ser um suposto “não fui com a sua cara porque você não é como eu”.

As crianças bem novinhas, são as que perguntam e se aproximam com mais naturalidade das pessoas que acham estranhas. Percebo isso até mesmo com minha filha que sem qualquer constrangimento perguntou pra um senhor: “Por que você tá sem perna e sem um montão de dedos?!”. Aí ele gentilmente resumiu sua história de vida e mostrou que mesmo sem tudo isso é ele que conserta os sapatos e bolsas de muita gente. Ela sorriu e disse: “Tá bem!”. Outro dia ela também traduziu de uma forma carinhosa a condição de uma amiga, quando eu tentava explicar pro garçon que precisava ir para outro restaurante – um que tivesse acessibilidade pra alguém que usa cadeira de rodas. Ela simplesmente falou: “Ela tem rodinhas. Não consegue passar aqui nessa escada, moço”. Minha amiga de rodinhas! Uma imagem mais simpática do que qualquer coisa que eu pudesse pensar.

Então para que jovens e adultos se tornem mais sensíveis ao mundo em que vivemos é que convocamos aqui o olhar mais carinhoso de todos.


Visitem: http://www.aboutfacebrasil.org.br/saiba_mais.htm


Contato: beth.moura@aboutfacebrasil.org.br


Texto publicado em 29/09/2009 – Estado de Minas & Correio Braziliense

22 comentários em “. . . . . .

  1. Pois é Fernanda. Hoje se fala muito no bullying, e temos um cuidado maior em mostrar ás criança que as pessoas são diferentes umas das outras e que isso e que ser diferente é normal, é uma coisa boa… Na minha infância e adolescência passei por muitos momentos ruins por causa de uma cicatriz. Uma Coisinha de nada, que deixava meu sorriso meio torto e acho que isso incomodava muita gente. Por isso, quase não sorria… Depois o tempo foi passando e esse meu sorriso torto e minha cicatriz foram virando minha marca registrada. Entendi que desse limão que a vida me deu, eu poderia fazer uma limonada. Hoje convivo com ela sem maiores problemas. Mas sei que o meu caso é um cisco perto do que muitas pessoas passam na vida. Sucesso pra essa ONG, e pra vc que é muito especial!
    Beijinhos
    Josi

  2. vc foi no meu colegio falar sobre isso com o pessoal dessa ONG ^^ mto legal a sua iniciativa e a deles tbm… sucessos!

    e vcs tem previsão de qndo vcs vão dar show em BH de novo?
    abraço

  3. Que belo gesto, Fernanda!
    Vou entrar no site para ver mais sobre eles…

    É mesmo ridículo esse negócio de bullying. Para mim a graça da sociedade são as diferenças: cada pessoa de um jeito, cada pessoa vestida de uma forma diferente da outra… Claro que isso não parece nada comparado à uma deficiência física, mas também chega a ser discriminação. Como podemos entender isso? Não gosto de você porque você não tem braço ou então não gosto de você simplesmente porque não gosto de você! ??

    Enfim, eu iria me queixar disso pro resto da vida aqui, então, é melhor eu parar…

    Ê mundinho… ¬¬

    xD

    1. você mandou pra onde a carta?
      se foi pra endereço do escritório tirado de encarte de disco do pato fu, tem que checar pois mudamos muito de endereço… talvez fosse bom mandar de novo.

  4. que gracinha da nina! sei bem como é ter essa idade e dizer coisas que seriam constrangedoras de forma natural e curiosa…. já fiz minha mãe passar por umas situações estranhas ao perguntar coisas como a que ela perguntou pro cara que conserta as bolsas…. mas hoje vejo que essas situações nem deviam ter sido encaradas dessa forma, já que essas perguntas de criança são a curiosidade da forma mais gratuita e inocente….. viva a nina!

  5. Fer, parabens pela iniciativa viu, parabens mesmo, vou ver esse site e divultar para os amigos!!

    Agora ta tudo quase certinho pra te ver em São Paulo dia 01 de novembro, to muito feliz, pedi a um amigo pra comprar o ingresso pra mim, espero que ele tenha um tempinho e possa comprar, pois não tenho cartão de creditos e não pude fazer a comrpra on line, ( sou de Foz do Iguaçu) heheh, espero que consiga um lugarzinho na primeira fila ta no Tom Jazz.
    Que legal tambem o show do Clã, sabia que vou colocar nos meus planos, pois talvez esteja em sampa no fim de novembro, seria muito sorte poder ver o show deles e um dueto de vcs ao vivo, desde que vcs gravaram juntos no “Toda cura para toda mal” venho acompanhando de perto o som deles, adoro ” Utilidade do Humor” ( acho que é esse o nome) heheheh

    Fer bjos pra vc e torça que de tudo certo pra eu te ver dia 01 de novembro tá!!!

    bjs

  6. Fiquei emocionada…Parabéns!!!!

    Uma pessoa que eu admiro muito também é Jaqueline Saburido (sofreu um acidente e ficou com a imagem desfigurada)que também já foi vitima de preconceitos, lançou campanhas contra alcool X direção e virou um mito.

    Bjs!!*******

  7. Parabéns!!! Todos somos iguais, todos temos o mesmo direito, e todos merecemos respeito!

    Fernanda,

    PARABÉNS por mais um prêmo viu?
    Luz Negra melhor show do ano pelo 5º Prêmio Bravo, concorrendo com Gilberto Gil, Arnaldo Antunes e Edgard Scandurra!

    Parabéns mesmo!!! Quantos prêmios tem recebido hein?

    Ótimo momento na carreira1 Mais e mais sucesso pra vc!!!

    bjs..

  8. Voce mais uma prova porque é tão especial…Realmente esse é um assunto dos mais sérios.
    Parte da minha adolescência eu passei com um lenço na cabeçapara cobrir o meu cabelo pois na minha sala de aula tinha um menino que bastava a minha professora sair da sala para ele começar a me chamar de cabelo de bombril, eu muito tímida não tinha reação nenhuma, sofri muito até assumir o meu cabelo.

  9. Adorei Fê!!
    Curso Educação Inclusiva e Deficiência Mental,
    e sou defensora não só da inclusão das crianças e adoescentes com deficiência intelctual, mas defendo a INCLUSÃO SOCIAL, de todo ser humano!!
    Precisamos aprender a lidar com o “diferente”, respeitar e nos despir de pré-conceitos…

  10. ‘n aliment uz bixo’
    naum alimente uz bicho…
    eu disse NÃO ALIMENTE OS BICHOS!!! (ta melhorando)

    ta bom, ta bom. o cão tb, ta bom…

    em algumas regiões, principalmente no nordeste, se ouve bastante as mães educando o filho: ‘ah, minino, minino… ora essa, minino! n fike BULINO com fogo, minino…’
    o gerúndio dá na vista d tão parecido; tem tudo a v… bulinagem e a sua etimologia

    1. eu também sempre penso nessa palavra “bulindo” quando escuto alguém falar de “bullying”.
      quando morava em jacobina ou passava minhas férias em maceió na casa de parentes, ouvia isso direto.

  11. É triste que nessa época, em que somos um povo bem informado e inteligente, muita gente julga outros pela aparência ao invês da pessoa que vive dentro do corpo. Aqui na Austrália bullying/racismo/preconceito/etc é muito popular, e até eu era vítima de bullying por muitos anos. Meu português não é tão bom, mas quero dizer que (como outros aqui já disseram), somos iguais, somos seres humanos, e todo mundo tem problemas (internos ou externos). Tente compreender como tudo é pros outros, antes de julgá-los. Cada pessoa que você desumaniza vai se tornar uma pessoa que desumaniza outros no futuro! Alguém que parece diferente pode ser mais uma cara na galera, ou talvez possa ser um amigo. É sua escolha. Eu costumava trabalhar com pessoas com problemas mentais e posso dizer com certeza que eles não querem nem merecem solidão. Se todo mundo tivesse uma mente aberta, o mundo seria um lugar melhor.

    Tô falando demais, mas quero dizer “pense antes de julgar”. É simples e todo mundo é capaz de fazer isso.

    E Fernanda, se você tá lendo, seria bacana ver sua banda tocar aqui! Infelizmente, acho que eu sou o único fã no meu país, mas eu daria tudo pra ver vocês tocarem ao vivo.

    Até!

  12. Po, que satisfacao ver alguem levantando esse assunto ai no Brasil.Perseguicao é um negocio que fode com a auto-estima das pessoas,pode te derrubar pra sempre ou te transformar num perseguidor tambem…

  13. Muito bom essa iniciativa, é super importante mostras a todos que nada se julga pela aparência.. o livro pela capa.
    E são iniciativas como essa que fazem a diferença. Respeito acima de tudo.

    =)

    bjus***
    Nana Japinha ^_~

  14. Olá Fernanda!

    Fiquei feliz quando soube que apóia a causa!

    Eu fiquei conhecendo a aboutface há pouco tempo e também vou trabalhar pela causa como voluntária doando meu tempo.

    Bacanérrima sua atitude.

    Sou fã do Pato Fu … E se alguém perguntar por mim…

    vai aí uma poesia

    Do tEmPo

    deste da liquidez da palavra
    de envolventes fúrias elegantes
    dos corações de idéias temáticas
    das mentes noturnas com sabor de cereja
    de palatáveis vésperas de morte
    do favor que não se precisa
    do caminho que não está lá
    do dia narrativo imperceptível
    da possibilidade complexa relacional
    da impotência da lógica real
    da castração sensível da alteridade
    do sangramento do desejo pueril
    da divindade
    D A

    P
    R
    E
    S
    S
    A

    deste homem
    fora

    da
    área
    de

    vida

    Elisangela Maria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s